Notícias

Postado em 07/08/2016 6:34

“Roubar” galinha agora é considerado crime grave. Artigo de Plácido Faria

.

Share Button
Share Button

A inflação legislativa no Brasil é tão assustadora que o ouso afirmar: duvido que um especialista em Direito Penal conheça todas as modificações, ou pelo menos, se estudioso for, de quando em vez, não consulte o GOOGLE para verificar se a lei não foi modificada.

Criado em 1940, o Código Penal, passou ao longo dos anos, por modificações com o “propósito” de moderniza-lo e torna-lo mais coerente. É injusto dizer que a Lei Penal é antiga, seria mais coerente afirmar que nós temos uma nova legislação penal, devido as inúmeras modificações.

Alguns exemplos de modificação: a parte geral do Código Penal em 1984, realizada como se fosse a criação de princípios de “um novo código”; A Lei “Maria da Penha”; Sequestro Relâmpago como Crime; Feminicídio; Lei de Drogas; a Lei de Crimes Hediondos; a Lei que disciplina o uso de bebida alcoólica para condutores de veículos. Destaque, também, a lei sobre crimes na área de informática de comunicações virtuais. Os exemplos citados são pequenas gotas de um imenso oceano, que é o Direito Penal.

Recentemente, no dia 02 de agosto do corrente ano, o Presidente interino Michel Temer, sancionou a Lei 13330/16, que altera o Código Penal, com a finalidade de tornar mais gravosa o furto e receptação de animais domesticáveis de produção, vale transcrever alguns artigos:

“Art. 2° O art. 155 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), passa a vigorar acrescido do seguinte § 6o:
Art. 155.

§ 6° A pena é de reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos se a subtração for de semovente domesticável de produção, ainda que abatido ou dividido em partes no local da subtração.”
Art. 3° O Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), passa a vigorar acrescido do seguinte art. 180-A:

Receptação de animal:

Art. 180-A. Adquirir, receber, transportar, conduzir, ocultar, ter em depósito ou vender, com a finalidade de produção ou de comercialização, semovente domesticável de produção, ainda que abatido ou dividido em partes, que deve saber ser produto de crime:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa”

Logo de cara, percebe-se que no Brasil, a propriedade material vale muito mais para os detentores do poder e os legisladores do que a vida humana, isto se nota em vários setores do Estado, quando se despreza a saúde e a educação.

Na seara penal não é diferente. Neste caso, apena-se mais gravemente o furto de um animal do que uma lesão corporal grave ou até mesmo o homicídio culposo.

Não existe um só motivo para a sanção da malfadada lei, existem bens muito mais valiosos que se furtados serão apenados com pena mais branda.

Venceu a bancada ruralista, que esperava e ansiava, por ignorância, a existência desta lei, totalmente sem caráter prático. O que combate a criminalidade é a certeza da pena e não as penas excessivas e desconexas com a realidade penal.

Atualmente, qualquer tipo de furto é punido com 1 a 4 anos de reclusão, o que de per si demonstra a incongruência da lei que se rechaça. Ora, como pode uma simples galinha configurar um ano a mais de pena mínima e máxima? Seria o furto desta mais significante do que o furto, por exemplo, de um automóvel?

Outra ignorância do Deputado federal Afonso Hamm, autor do projeto, é que o “ladrão de galinha” continua tendo o direito à liberdade provisória e se sua condenação for de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, terá direito a substituição da pena, por qualquer medida outra substitutiva da pena, não ficando, diferente do que pensam os incultos deputados, encarcerados numa prisão.

Ademais, é verdade que os bandidos se organizaram em cadeias criminosas e levam o pânico ao campo. Entretanto, os políticos e as autoridades, também organizados, levaram a nação brasileira ao pânico.
Neste momento, lembro-me do poeta Chico Buarque “é malandro candidato à malandro federal” que antigamente nunca se deram mal.

De resto, além da inutilidade e perda de tempo, o Supremo Tribunal Federal poderá julgar a lei inconstitucional em virtude do Princípio da Proporcionalidade, do Princípio da Razoabilidade bem como o Princípio da Dignidade Humana.

Vale relembrar um conhecido conto popular que retrata que um ladrão surpreendido, pelas palavras de Rui Barbosa, ao tentar roubar galinhas em seu quintal:

— Não o interpelo pelos bicos de bípedes palmípedes, nem pelo valor intrínseco dos retro citados galináceos, mas por ousares transpor os umbrais de minha residência. Se foi por mera ignorância, perdoo-te, mas se foi para abusar da minha alma prosopopeia, juro pelos tacões metabólicos dos meus calçados que dar-te-ei tamanha bordoada no alto da tua sinagoga que transformarei sua massa encefálica em cinzas cadavéricas.

O ladrão, todo sem graça, perguntou:
— Mas como é, seu Rui, eu posso levar o frango ou não?

A esquizofrenia legislativa no Brasil, encontra-se aliada a ditadura do Judiciário, promovendo uma verdadeira violência social. É Schopenhauer quem nos ensina, essa hierarquia do mal e a violência por astúcia é superior, em termos de malignidade, à violência por coerção física, foi o que aconteceu no golpe deste ano com a participação determinante do Judiciário, que parece agir como um partido de extrema-direita.

Enquanto isso, a galinha dos ovos de ouro encontra-se nas mãos de Michel Temer, onde por certo ele a cuida com muito zelo, para que ninguém tome do seu jugo.

Galeria de Fotos

Outras Notícias:

Que absurdo!

Apenas no início do verão, praias de Salvador já acumulam 1,2 mil toneladas d

Mal o verão começou e 1,2 mil toneladas de lixo já foram encontradas pela prefeitura de Salvador ...

Eduardo Campos

Dono de jato de Eduardo Campos fecha delação premiada

Apontado pela Polícia Federal como responsável por entregar propina de empreiteiras ao ex-governad...

Matricula

Começa nesta terça-feira a matrícula na rede estadual de ensino

A Secretaria da Educação do Estado inicia, nesta terça-feira (24), a matrícula na rede estadual...

Febre Amarela

Alerta: Ministério da Saúde confirma caso de febre amarela na Bahia

O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira (23) que a Bahia notificou sete casos suspeito ...

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BUSCAR NO SITE: