Notícias

Postado em 27/06/2016 4:43

PF investiga “máfia dos shows públicos”; Bahia é alvo da operação

.

Share Button
Share Button

Uma “máfia” dedicada a fraudar a compra e venda de shows públicos de grandes artistas está sendo investigada pela Polícia Federal, Receita e o Ministério Público Federal. Segundo informações do Uol, o volume de dinheiro obtido por meio de fraude na contratação, superfaturamento de cachês ou infraestrutura pode passar de R$ 100 milhões apenas nos últimos três anos. Somente no interior de São Paulo há R$ 15 milhões já bloqueados pela Justiça a pedido do Ministério Público Federal.
Por enquanto há investigações em curso em São Paulo, Rio, Pernambuco, Amazonas, Bahia, Pará, Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. A investigação começou em 2010, no interior de São Paulo, e depois se espalhou pelo país. Quem a iniciou foi Thiago Lacerda Nobre, hoje chefe da Procuradoria Geral da República em São Paulo, e procurador da República em Santos.
Fontes da PF e MPF dão conta de que as fraudes podem somar mais de R$ 100 milhões desde 2013. Há novas ações sendo iniciadas em outros estados, porém. Um dos artistas já condenados a ressarcir os cofres públicos nos últimos meses foi o sambista Zeca Pagodinho. Sua empresária, Leninha Brandão, confirma a condenação, mas nega irregularidades e afirma que os advogados do artista vão recorrer. No caso de Zeca, a ação contra ele se desenrolou em Brasília.
Modus operandi
A fraude mais comum, segundo o procurador, é aquela em que um atravessador recebe informação privilegiada de que esta ou aquela cidade fará uma grande festa (de aniversário por exemplo) e que a intenção é de contratar a dupla sertaneja “X”. De posse da data, o atravessador então se antecipa, entra em contato com a dupla e faz uma oferta de compra da data em questão.
Quando um funcionário da prefeitura entra em contato com o empresário da dupla, dizendo que a cidade tem interesse em contratar seus artistas, é informado que a data em questão já está vendida, e que a prefeitura deve procurar o empresário-atravessador. Não raro, a prefeitura acaba pagando um preço às vezes exorbitante pelo cachê dos artistas de seu interesse, porque o “atravessador” sabe que não há outras opções e cobra o valor que quer ao município.

Galeria de Fotos

Outras Notícias:

Policia

Roubo a loja termina com perseguição policial em frente a um shopping da capit

Cinco homens ainda não identificados são suspeitos de roubarem uma loja no bairro de Pernambués, ...

Itacaranha

Homem acusado de trafico de drogas e homicídios é presos em Itacaranha

Policiais do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) cumpriram o mandado de prisão...

Nordestão

PM encontra bomba caseira com integrante da Bamor próximo à Fonte Nova

Acontece na noite desta quarta-feira (24), na Arena Fonte Nova, em Salvador, a final do Nordestão, ...

Mobilidade

Ônibus circulares do CAB terão ar condicionado

Aproveitando o funcionamento de quatro estações na Avenida Paralela, o governador Rui Costa foi tr...

Comentários:

BUSCAR NO SITE: