Notícias

Postado em 02/04/2016 11:40

Estudante diz que foi proibida de entrar em escola de Salvador usando turbante

.

Share Button
Share Button

Uma estudante de 16 anos do Colégio Estadual Presidente Costa e Silva, no bairro da Ribeira, diz que sofreu discriminação e foi impedida de assistir às aulas na terça-feira (1º) porque estava usando um turbante. Aluna do 3º ano do ensino médio, Laís de Jesus, diz em desabafo compartilhado em redes sociais que se sentiu “ofendida, envergonhada e humilhada” ao ser barrada no portão. A Secretaria da Educação do Estado negou que a aluna tenha sido barrada.

No relato da aluna, ela conta que o vice-diretor, identificado somente como Celso, a abordou no portão e impediu que ela entrasse, depois de perguntar porque ela usava um turbante. “Eu disse: coloquei porque quis, senti a vontade”. O vice-diretor respondeu que o uso da peça só era permitida em caso de motivo religioso, alegando que “a escola não é carnaval e não posso permitir um aluno entrar com cabeça coberta”. Laís afirmou que estava sendo racialmente discriminada.

“O meu caso é só mais um e se os demais que venham a passar por isso se calarem isso irá se repetir por milênios! O meu torço deve ser aceitado independente de eu ser candomblecista ou não. Essa regra deve ter mais de 100 anos, nós já estamos em 2016 e isso é lamentável!”, conclui o texto da estudante.

Depois do episídio, estudantes se uniram em um “turbanaço” em manifestação para apoiar a aluna nesta quinta-feira (31). Em nota, o diretor de combate ao racismo da Associação de Grêmios Estudantis de Salvador (Ages) se manifestou. “É lamentável que em tempos onde a auto afirmação de costumes afros se torna cada vez mais respeitado e visível em nossa sociedade, um gestor de escola querer proibir uma estudante de ter acesso a unidade escolar por causa de seu turbante”, diz Ralph Oliveira. “Eles já não nos garantem o que é por direito nosso que é o cumprimento da lei 10.639/03 da Afroeducão na rede publica de ensino e agora quer nos impedir, não passarão”.

Portaria
O vice-diretor não foi localizado para comentar o caso. Em nota, a Secretaria de Educação do Estado afirmou que as regras sobre o fardamento dos estudantes seguem a Portaria 0557/2011 e que a aluna resolveu se retirar ao ser questionada pelo uso do turbante. “O vice-diretor questionou os motivos dos estudantes utilizarem o fardamento escolar de forma descaracterizada e a estudante em questão alegou satisfação própria. O vice-diretor orientou sobre uso do uniforme padrão e a estudante decidiu, por conta própria, retirar-se da escola”, diz a secretaria.

A portaria fixa como uniforme dos estudantes “as camisas oficiais distribuídas gratuitamente, calça azul, tipo jeans escuro ou similar e calçados, preferencialmente fechados e o uso de peças do vestuário ou adereços para compor a farda dos estudantes da rede estadual só é permitido por motivos de etnia ou religião do estudante, além dos casos de saúde. Estes motivos não foram alegados pela estudante em questão”.

Galeria de Fotos

Outras Notícias:

Acidente

Acidente entre dois ônibus deixa seis feridos Nesta Tarde de Domingo(22)

Por volta das 16h deste domingo (22), na saída da Avenida Luiz Eduardo, na altura da Concessionári...

Plataforma

Secretaria de Educação da Bahia Manda Fechar CEAC de São João do Cabrito-Pla

Em contato com o Subúrbio Online, Alunos e moradores do São João do Cabrito Denúnciam mais uma f...

Policia

Criança de 2 anos morre baleada quando brincava

Uma criança de dois anos e meio morreu vítima de bala perdida, na noite deste sábado (22), dentro...

Fermadum

Dois homens são mortos a tiros após saírem do Femadum

Dois homens identificados como Rodrigo Santos Reis, 25 anos e Diego Ricardo Da Silva Lopes, 26 a...

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BUSCAR NO SITE: